Mastopexia

A recente evolução dos implantes de silicone diminui as complicações relacionadas ao aumento mamário. Este fato, associado ao desejo de ter mamas mais consistentes, faz com que muitas pacientes busquem a inclusão de próteses de silicone no mesmo momento de uma suspensão ou até mesmo de uma redução mamária. O questionamento que surge com esse movimento é: Vale a pena associar a prótese de silicone às mamoplastias?

A resposta não é simples e, por esse motivo, a resposta será dividida em três partes. Para pacientes com mamas pequenas e caídas e que desejam aumento de volume, o uso associado dos implantes de silicone deve ser feito no mesmo tempo da mastopexia. Pacientes que não desejam aumentar as mamas podem se beneficiar do uso da prótese de silicone em casos de flacidez extrema, em que não se consegue uma remodelação adequada das mamas apenas com a mamoplastia. Já as pacientes que possuem mamas grandes e com tecidos de boa qualidade não apresentam benefício de reduzir as mamas e substituir tecido mamário saudável por próteses de silicone, uma vez que a inclusão das mesmas exige a troca periódica e não é isenta de complicações.

Devemos ressaltar que a colocação dos implantes não é garantia contra a queda das mamas, e deve ser feita após avaliação criteriosa das características físicas da paciente pelo cirurgião plástico. Outra característica perseguida pelas pacientes, que é o colo projetado, é facilitada pelo implante, mas não é garantida por sua presença. Próteses muito grandes são pesadas e, com a gravidade, também levam a uma descida precoce da mama.

A avaliação criteriosa por um cirurgião plástico especialista e a indicação do procedimento correto sem exageros aumentam sensivelmente a chance de satisfação por parte da paciente.