Pós-obesidade

O estilo de vida atual levou a um aumento na incidência de pessoas obesas no mundo. O tratamento da obesidade através de dieta, exercício e cirurgias gerou um tipo de paciente com características únicas, devido à rápida e intensa perda de peso.

O paciente pós-bariátrico possui grande flacidez cutânea e distribuição do tecido gorduroso alterada em relação aos pacientes não emagrecidos. As intervenções mais frequentes após os grandes emagrecimentos são as cirurgias nas mamas, abdome e tronco, braços e coxas.

As mamoplastias sofrem adaptações para as pacientes pós-bariátricas, e isso ocorre por causa da flacidez intensa e da má qualidade dos tecidos. As próteses de silicone são evitadas sempre que possível por conta da pouca cobertura tecidual existente. Em caso de uso de implante, ele é normalmente colocado em plano mais profundo para esconder o contorno e proporcionar um resultado natural. Quando a paciente tem tecido mamário suficiente é realizada a mamoplastia redutora ou mastopexia, de acordo com a necessidade.

Normalmente as cicatrizes são maiores, e o tecido presente na parte lateral do tórax é aproveitado para dar volume e forma à mama, com a vantagem de tratar-se também a flacidez dessa região.

Os homens também apresentam flacidez da região das mamas e tórax após a perda maciça de peso. Esse crescimento da glândula mamária do homem é chamado de ginecomastia. A ginecomastia é tratada através de técnicas diferentes daquelas aplicadas em mulheres, uma vez que o objetivo é reduzir o volume da glândula e deixar o mínimo de cicatrizes.

As regiões do abdome e dorso são normalmente tratadas ao mesmo tempo para a obtenção do equilíbrio da região. O tipo de deformidade adquirido após o emagrecimento determina a cicatriz cirúrgica final. Os casos com menor flacidez são tratados pela abdominoplastia clássica, com a cicatriz resultante posicionada inferiormente e dentro das roupas de banho.

Pacientes com excedentes cutâneo-gordurosos muito grandes e localizados na porção anterior do abdome e/ ou aqueles que possuem cicatrizes prévias se beneficiam de um acesso tipo âncora, que propicia o tratamento da parede anterior nos sentidos cranio-caudal e lateral. Esse acesso permite uma grande melhora da linha da cintura e do contorno global do corpo. O último tipo de tratamento é a torsoplastia circunferencial ou “belt lipectomy”, no qual são tratados simultaneamente o abdome e a região dorsal. A cicatriz resultante é baixa e permite ainda a subida da região glútea, que pode ser tratada no mesmo tempo cirúrgico.

As coxas podem apresentar diversos tipos de flacidez e acúmulos de gordura. O tratamento da região é individualizado de acordo com a gravidade e normalmente envolve a lipoaspiração e a retirada de pele. A cicatriz varia de acordo com a quantidade de pele removida, sendo posicionada na virilha e na parte interna da coxa.

Pacientes que perdem peso também sofrem com a flacidez dos braços. O tratamento dos braços pode ser realizado somente com lipoaspiração em casos selecionados. Em geral uma cicatriz é necessária para a retirada da pele em excesso. A cicatriz pode ser extendida para tratar a porção lateral do tórax quando indicado.

A perda maciça de peso gera deformidades particulares em cada paciente. Deve ser tratada de maneira individualizada e em estágios separados, de maneira a se obter o melhor resultado estético e funcional, preservando a segurança e melhorando a qualidade de vida que é o objetivo da cirurgia plástica.